Visitem nossos Blogs

terça-feira, 20 de outubro de 2009

OBSOLETA


.
Dos versos que te fiz, restaram poucos
Alguns já desbotados pelo tempo
Já nada falam; mudos, cegos, loucos
Debatem-se nas gavetas, sufocados
.
Das letras que eram quentes, nada resta
Hoje são cinzas; frias, ásperas e amargas
Nada mais dos rumores de vida em festa
Nada além de rotas frases engasgadas...
.
Do verbo que ergueu a nossa vida; nada
Nada mais restou; de pé, nenhuma letra
Nossa história, por completa, apagada
Nossa poesia, fragmentada, enfim obsoleta...

.
(Lena Ferreira)

M@ria

Um comentário:

Glória Müller disse...

Muito bonito, também.
Bjos